Encante-se nos Jardins de Monet

Fondation Claude Monet. Foto: Fernando Segura

A 70 quilômetros de Paris fica o paraíso. É perfeitamente aceitável que você, leitor, encontre exagero em minhas palavras, mas só até ir até lá e, vendo com seus próprios olhos, constatar que “paraíso” é uma definição adequada para os Jardins de Monet, na pequena Giverny.

Antes mesmo de começar, para os afoitos, deixo duas informações. Primeiro, alugue um carro. Sai mais barato e você não fica preso a horários de motorista profissional. Com um GPS é muito tranquilo de chegar (eu usei o HERE Drive, da Nokia, Tom Tom e até Google Maps fazem um bom trabalho), e há um estacionamento em frente à entrada. Segundo, ambos os jardins (são dois) contam com acesso plano e a equipe está bem orientada. Basta avisar na bilheteria que há uma pessoa com mobilidade reduzida consigo e eles lhe orientarão a uma entrada plana na parte baixa do jardim contíguo à casa.

Há uns poucos anos, eu havia estado lá com minha esposa em Setembro. Ficamos encantados, tiramos muitas fotos, mas não nos demoramos muito por lá, já que fomos com um veículo contratado, com motorista, e havia um cronograma a seguir. Por isso a recomendação de alugar um carro. Desta vez, alugamos um carro, gastamos menos e aproveitamos mais. É claro que alugar e cair na estrada não é para qualquer um. Você precisa ter uma idade mínima para alugar e, especialmente, sentir-se confiante para pegar a autopista. Falar outro idioma, como Francês ou até Inglês, será de grande ajuda – custei a ver um prestador de serviço que falasse Português. Se nem ser monoglota lhe acanhar, vá fundo. Por sua conta e risco, mas você se surpreenderia quão longe mímica e boa vontade podem lhe levar.

Fondation Claude Monet. Foto: Fernando Segura

A Fundação Claude Monet funciona na casa onde viveu o pintor, e os jardins ficam logo atrás dela. Uma pequena estrada que leva à rodovia os separa, mas há uma passagem subterrânea ligando o jardim contíguo à casa, repleto de canteiros de lindas flores, ao lado dos lírios d’água. Em plena Primavera, no fim de Abril, não me atrevo a escolher qual dos jardins é mais belo. Se os canteiros, com suas variedades delicadas e de marcante beleza, prendem os olhos com tantas cores, o Lago e seus canteiros de tulipas, de cachos e mais cachos de lavandas e os lírios d’água, emoldurados pelas árvores e pelo pequeno bambuzal, é de tirar o fôlego. A atmosfera é serena, de muita paz, perturbada apenas pela admiração dos inevitáveis visitantes. Descrever com palavras parece uma tarefa um tanto malfadada, fútil. É um espetáculo para os olhos, para a alma, e palavras nos convidam a imaginar o cenário. Acredito que minhas fotos fazem melhor trabalho que as palavras aqui.

O museu, com objetos e mobília usados pelo pintor no período em que viveu na casa, desculpem, não prestei a atenção necessária para opinar. Inclusive, fica a dica: visitem-no antes de ir ao jardim, se tiverem alguma intenção de prestar atenção no modo como Monet vivia, porque, depois de conhecer a vista de sua janela, o aspecto mundano do pintor fica tremendamente desinteressante diante daquilo que ele imortalizou em sua obra.

Fondation Claude Monet
84 Rue Claude Monet
27620 Giverny, France
Fone: +33 (2) 3251-2821
Email: contact@fondation-monet.com
Website: http://www.fondation-monet.com/en/

Direções: http://fondation-monet.com/en/info-pratiques

Aberto entre 1º de abril a 1º de novembro, das 9h30 às 18h (última entrada às 17h30).

Informações de acessibilidade: Há um acesso plano ao jardim contíguo à casa na primeira ruela à direita da bilheteria. O jardim do lago tem acesso plano cruzando a estrada que os separa. Sanitários adaptados com acesso rampado estão disponíveis ao lado da lojinha do museu. Infelizmente, não há acesso plano nem ao museu nem à loja.

Deixe uma resposta